Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Get a life.

por PR, em 17.04.12

Chego à conclusão que a maior parte das pessoas não gosta de ver ninguém bem. A inveja é o maior mal da sociedade portuguesa e está na base de uma série de outros males. O que move a maior parte das pessoas é simplesmente inveja pobre. Se alguém ganha bem, ninguém fica feliz por essa pessoa, fica antes a roer-se de inveja, e diz mal. Se alguém foi promovido é porque fez algum tipo de favor, nunca se atribui mérito. Se alguém ganha um prémio, havia outro alguém que merecia mais. Se alguém ganha alguma coisa, aparece sempre um exército de gente a dizer mal. Se se elogia alguém, é por interesse, nunca se aceita que seja só isso: um elogio. É impressionante. E cansativo, porque mostra que a maior parte das pessoas vive numa bolha de frustração e ressentimento, e passa pela vida sem brilho, nem brio. Vive para falar mal, para fantasiar sobre a existência dos outros, num rolo compressor de maldade que é, em si mesma, pobre de espírito e triste. Que quem vive nessa prisão se liberte, que se deixe de merdas e perceba que a vida está a acontecer e há que vivê-la. O resto é ruído.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


28 comentários

Sem imagem de perfil

De Bancada16 a 17.04.2012 às 18:42

Gostaria de juntar o seguinte exemplo ao teu texto.

É inacreditavel a Inveja que os Portugueses têm de Cristiano Ronaldo.

Um miudo que do nada, que sem apoio de ninguém se tornou num dos melhores do mundo da sua profissão.

Em vez de termos Orgulho, em vez de termos isso como um BOM exemplo, em vez de dizermos aos nossos filhos que um Português conseguiu ser o melhor do Mundo pelo seu trabalho e pela sua dedicação, NÃO, é precisamente o contrário, é porque o rapaz fala mal, é porque o rapaz tem bons carros, é porque o rapaz namora com muitas, é porque não é o melhor porque existe o Messi...

Enfim... é como dizes, Inveja e mais Inveja, não conseguem ver alguém bem na vida...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.04.2012 às 16:02

Cristiano Ronaldo acaba de ganhar mais um prémio importante e, no entanto (ou por causa disso), muitos estrangeiros odeiam-no, e alguns portugueses toleram-no com aquele desprezo manso que se dedica aos rústicos. Dizem "Cristiano Ronaldo" articulando todas as sílabas com escárnio, sublinhando toda a cristianoronaldice do nome. Essa gente maldosa sabe o que faz: o nome foi a única vantagem com que Cristiano Ronaldo nasceu. É um nome que indica ao seu proprietário a carreira que deve seguir. Um nome psicotécnico: um arquitecto Cristiano Ronaldo sabe que nunca vencerá o Pritzker, e um engenheiro Cristiano Ronaldo nunca será quadro de topo da Mota-Engil - a menos que tenha sido ministro das Obras Públicas, mas infelizmente o cargo de ministro também está vedado a Cristianos Ronaldos, como é óbvio. Não, assim que um miúdo recebe o nome de Cristiano Ronaldo, pode começar a engraxar as chuteiras: já sabe que vai ser jogador de futebol.

Foi a única vantagem com que Cristiano Ronaldo nasceu. Tudo o resto foi conseguido por ele. É por isso que, ao contrário do que parece ser a opinião geral, considero que Cristiano Ronaldo é modesto e casto. Modesto e casto, digo bem. E justifico: Ronaldo nasceu, há 26 anos, num lugarejo esquecido da Madeira. À custa exclusivamente do seu esforço, conseguiu ser considerado o melhor do mundo no seu ofício. É isso que faz dele modesto. No lugar dele, tendo feito os sacrifícios que ele fez e obtido o que ele obteve, eu teria mandado fazer um cartaz, todo em néon, com os dizeres "Eu sou o grande Cristiano Ronaldo" e uma seta fluorescente a apontar para mim, pendurava-o ao pescoço e não saía de casa sem ele. Que ele, de vez em quando, dê uma entrevista em que arrisca um tímido elogio a si mesmo, para mim, é sinal de humildade.

Além disso, recordo que Ronaldo tem 26 anos. Parece que se dedicou em exclusivo a uma russa quando tem 400 russas, 650 suecas, 890 finlandesas - e por aí adiante, por esse atlas afora - a baterem-lhe à porta. Qualquer rapaz normal de 26 anos que já tivesse ganho o suficiente para nunca mais precisar de trabalhar na vida faria uma curta interrupção sabática de 40 anos no futebol para se dedicar em exclusivo às estrangeiras e ao álcool, como muitos antes dele tiveram o discernimento de fazer. Entre a pândega e o trabalho, Cristiano Ronaldo optou por meter na cabeça que vai bater todos os recordes anteriormente estabelecidos pelos melhores jogadores da história, e parece bem lançado para o fazer. Escolheu mal, evidentemente, até porque aos 26 anos não temos ainda a maturidade para distinguir aquilo que é mais importante na vida, e os cantos de sereia da ética do trabalho conseguem fazer com que muito jovem imaturo abandone uma vida de libertinagem para cair tragicamente nos braços da competência profissional. Comparado com o que podia ser, Cristiano Ronaldo é um monge. Há padres mais devassos do que ele. Felizmente, eu sou capaz de perdoar as falhas de carácter mais graves, e não o admiro menos por causa disso.


Ler mais: http://visao.sapo.pt/um-abraco-para-cristiano-ronaldo=f633843#ixzz1ssNYgqMK
Sem imagem de perfil

De Viagem com tudo incluido a 17.04.2012 às 22:17

Como sempre muito bem escrito e sobre a mais pura verdade (infelizmente). Parabéns pelo blog e pelo óptimo comunicador que é!
Sem imagem de perfil

De Lili a 17.04.2012 às 22:45

Genious! =D
Sem imagem de perfil

De Insípido a 17.04.2012 às 23:54

É essa inveja que geralmente está associada ao fracasso. Veja-se o caso do Benfica :) E como ele espelha o povo que temos. Afinal, mesmo que nem todos sejam assim, ainda serão quase 6 milhões.

A brincar mas a falar a sério!
Sem imagem de perfil

De Sofia Marques a 18.04.2012 às 22:05

Olá.....gostei tanto, mas tanto deste texto que vou partilhar no FB......
Sem imagem de perfil

De Sofia Brilhante a 20.04.2012 às 18:03

Olá Pedro,
Não posso concordar mais consigo.
Falo com muita gente ao telefone durante as 8 horas diárias de trabalho e francamente os portugueses parecem-me cada vez mais portuguesinhos.
Gentinha ignorante e burra e que como bons burros são altivos e orgulhosos.
E depois também há os adjectivos que referiu.
Para além de ter que falar com as pessoas também partilho transportes públicos com elas e também as encontro no supermercado. Sou constantemente empurrada por pessoas que acham que não têm que pedir licença e que reagem com raiva quando são chamadas à atenção.
E no trânsito?? Acho que não estou muito a par das alterações ao código da estrada desde que tirei a carta, mas certamente houve uma alteração das prioridades a favor de quem tem Audis, BMW's, Mercedes e jipes em geral.
Posso parecer um ermitão, mas nem me importo... Estou tão, mas tão farta de mediocridade e má educação...
Para si que é uma pessoa bem disposta desejo-lhe um "xelente" fim de semana :)

Comentar post


Pág. 3/3