Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




10-22. Perdem todos.

por PR, em 10.02.18

Quando um pai olha para uma filha, que ama como ama todos os seus filhos, mais do que a sua própria vida, e pensa: é uma injustiça incompreensível, esta coisa de ter apenas 10 dias em cada mês com ela. E ela com o pai, com os irmãos, com a mulher do pai, que a trata com o amor com que trata todos, numa casa que é dela também.

Semana sim, semana não,  de quinta a segunda.  Ou seja, nunca, a não ser nas férias, esta criança passa terças e quartas-feiras com o pai, os irmãos e por aí fora. Nunca. 

Faz sentido? 

Não entendo como não é por default uma semana com a mãe outra com o pai. E como há pais e mães que não percebem que é esse o interesse da criança, um equilíbrio que é necessário defender intransigentemente.  

Em tempos de justa mobilização pela defesa de direitos elementares, é talvez hora de lutar também contra esta discriminação, que é tantas vezes prejudicial às crianças visadas e às suas famílias.

Além de ser uma profunda dor, permanente como uma moínha que está sempre ali, pela vida fora, enquanto o tempo passa, as crianças ficam a perder e ninguém ganha.

Ninguém.

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Aninhas. a 05.02.2018 às 17:26

É mesmo pr essa situação, que nunca me separei! Prq as crianças passam a ser uma bola de pink pong! Mas, tb hoje vejo que não valeu a pena, prq os filhos tb sofrem com o mau ambiente em casa! Qdo não há bom ambiente no casal, tb não há prós filhos, e isso deixa marcas bem profundas. São situações bem difíceis! Hoje penso, será que fiz bem? Não sei! A minha filha já é adulta, formada e independente. MAS! :-(:-(.
Sem imagem de perfil

De Luis a 10.02.2018 às 11:56

Não há soluções perfeitas, é tentar usar o bom senso. Sabendo que estamos a falar de pessoas e de relações entre pessoas. Que saiba para isso não há livros de receitas infalíveis, nem medicamentos que as curem.

Claro que me parece lógico que as crianças continuem a ter o pai e a mãe de igual forma ao longo da vida.

Mas também é importante perceber que muitas vezes a dor é maior nos pais que na criança, e não devemos deixar que essa dor se espalhe e se torne o problema.

Porque é o tal mau ambiente, os conflitos abertos que prejudicam o dia a dia.

Comentar post