Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A vida de um 6.

por PR, em 05.09.16

No futebol, como na vida, sempre olhei com mais interesse para os Iniestas e Xavis do que para Messis e Ronaldos. Não me interpretem mal, adoro o CR7 e o Messi, mas, talvez por serem de um campeonato à parte, daquela constelação exclusiva dos que são iluminados por uma luz própria, que é só sua e é tão rara...acho que essa adoração é óbvia. No caso de um Xavi ou um Iniesta, a coisa requer outra atenção, outro foco no detalhe. também brilham com luz própria, mas é preciso ter outra atenção para ver quão longe chega esse caminho que eles iluminam em campo. Acho que me encanta a característica de serem jogadores discretos. Não há ali grande marketing, a não ser o toque de bola, a visão de jogo, a noção do espaço em todas as zonas do campo, a capacidade de inventar um passe letal onde mais ninguém via uma nesga possível para a bola passar. E, fora do campo, tipos normais. Não há cá penteados, roupas, carros ou outra qualquer que chame a atenção. Serão sempre conhecido pelo jogo em si. Achjo isso bonito. Sem criticar quem se distingue também por uma barba ruiva ou por um novo Ferrari. Mas ser grande e ser discreto é, para mim, ser ainda maior.

Sai esta semana a biografia de Andres Iniesta. O médio do Barcelona e da Selecção Espanhola, que ganhou tudo e continua a jogar no mesmo estilo e a ser, fora do campo, o homem de família de sempre. Nada de deslumbramentos, é um tipo normal. Só que não. É genial. E aquilo que já é possível ler, da biografia, comprova que estamos perante alguém inteligente e humilde, o que, para quem já conseguiu tudo o que ele conseguiu, é de aplaudir, porque é raro e precioso.

Houve uma altura em que, quando me perguntavam quem era o melhor jogador do mundo, eu respondia: "O XavIniesta"

Gosto sempre da malta que, trabalhando de uma forma séria e leal, com humildade e fazendo outros brilhar ainda mais, mantém os pés no chão, mas não perde a bola de vista. A biografia de Iniesta sai esta semana. Que senhor. Até na forma como aborda a sua caída particular ao fundo do poço, numa depressão que tratou como joga: discretamente, sem alarido. Um exemplo.

 

5000.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Xavier Costa a 14.09.2016 às 10:13

A tranquilidade dos "6" fora de campo é o reflexo da tranquilidade com que jogam, a encontrar a calma e a linha de passe perfeita dentro do caos mais ou menos organizado que é um jogo de futebol. É o pôr o jogo em pausa, analisar o que há para fazer e por onde, preparar e carregar novamente no play. É ter capacidade de ver tudo em câmara lenta, como na matrix. É ser craque sem a exacerbada pressão dos media e dos adeptos!

Comentar post